Sinto muita tristeza: será que tenho depressão? Veja aqui!

Faz parte do repertório de emoções humanas sentirmos tristeza. Podemos alternar momentos de intensa alegria com outros em que somos tomados por um sentimento de tristeza, que nos deixa mais sensíveis e introspectivos.

No entanto, se você se pega perguntando a si mesmo “por que sinto muita tristeza?”, talvez seja o momento de refletir mais a fundo sobre o que sente e, se necessário, buscar ajuda profissional. Acompanhe mais sobre o assunto no post de hoje.

Entendendo o que é tristeza

A tristeza é um sentimento normal, que surge como resposta a situações traumáticas ou desafiadoras que vivemos. Podemos ficar tristes por algum tempo, enquanto lidamos com o impacto trazido por essas experiências, mas a passagem dos dias (e outras experiências positivas) nos tiram daquele estado de espírito e nos devolvem ao que consideramos como habitual.

Logo, quando algum ente querido adoece, ou temos um desentendimento com um colega de trabalho, é normal experimentar dias de tristeza como reação ao evento negativo. Esse sentimento é uma consequência natural de um alinhamento entre nossa condição emocional e o ambiente que nos cerca.

No entanto, quando essa tristeza dura mais tempo do que o usual e nos incapacita para as exigências e atividades do dia a dia, devemos olhar com atenção para outros sintomas que podem indicar que estamos vivenciando algo ainda mais profundo e potencialmente perigoso para nossa saúde mental e física.

Diferenças entre tristeza e depressão

A depressão é um estado emocional alterado que afeta todos os aspectos da vida de quem convive com a doença. Ela altera a percepção que o indivíduo tem de si e do seu entorno, bem como suas emoções e comportamentos perante a vida, a carreira e os relacionamentos.

A depressão é como uma lente que distorce a visão de quem tem a doença — logo, ela funciona como um filtro entre as experiências reais do dia a dia e como o indivíduo com depressão percebe e apreende essas experiências.

Diferentemente da tristeza, a depressão não necessariamente precisa de gatilhos para se manifestar. Ela pode ocorrer em episódios ou de maneira crônica, e não é raro que indivíduos depressivos não demonstrem para as pessoas mais próximas que estão sofrendo com a doença.

Por afetar todos os aspectos da vida, a depressão torna a experiência de viver menos prazerosa e interessante. Quem sofre de depressão usualmente se vê tomado de sentimentos profundos de baixa autoestima, culpa e falta de valor próprio, além de uma ausência de vontade de viver — que pode ou não levar a pensamentos suicidas.

Além disso, o indivíduo deprimido tem menos motivação e se irrita facilmente. Pode ter acessos de raiva repentinos e ficar mais impaciente. Também pode ter alterações nos padrões de sono e nos hábitos alimentares e, de um modo geral, sentir fadiga constantemente.

É possível sentir muita tristeza e não estar em depressão

Mas, e quando sentimos muita tristeza, em vários momentos, porém não estamos clinicamente deprimidos?

Existem causas para o sentimento constante de tristeza, e elas merecem a mesma atenção e cuidado que as da depressão, pois também podem comprometer a maneira como vivenciamos experiências cotidianas.

Primeiramente, é importante olhar para fora e identificar fatores que possam provocar a tristeza. Uma crise no casamento, insatisfação profissional, preocupação com a crise econômica e com a segurança, problemas de saúde (tanto do indivíduo quanto de pessoas próximas) e outros eventos impactantes, caso ocorram em sequência ou em conjunto, podem levar a um estado de tristeza constante.

O luto pela perda de um ente querido é um dos principais causadores da tristeza. Além disso, estresse, má qualidade do sono, falta de atividades físicas e de lazer, ansiedade e alterações hormonais também podem fazer com que uma pessoa se sinta frequentemente triste.

Lidando com a tristeza

Em segundo lugar, é necessário olhar para dentro de nós mesmos e entender como esses fatores interferem em nosso equilíbrio emocional. Sentimentos de instabilidade, insegurança e incerteza tornam mais difícil o processo de superar a tristeza e abrir caminho para outras experiências positivas.

É importante fazermos uma reflexão detalhada, honesta e tranquila sobre o porquê de todos esses fatores nos levarem ao sentimento de tristeza constante. Assim, podemos identificar os gatilhos, entender como eles nos afetam e saber de que maneira responder a eles ativamente, assumindo o controle da situação.

Há uma série de atitudes que podem ajudar nesse entendimento:

1. Escreva um diário

Separe um caderno e tente, todos os dias, escrever sobre como você se sente. Detalhe todas as sensações, sentimentos e impressões. Faça do caderno um confidente — conte, nas páginas, tudo o que te afeta positiva ou negativamente.

De tempos em tempos, releia o que já escreveu e perceba se existe uma diferença entre a maneira como você sentia no começo e como se sente nas páginas mais recentes. Veja se houve algum tipo de progresso e permita-se não se julgar caso o sentimento de tristeza tiver permanecido inalterado.

2. Converse com um amigo ou amiga

Escolha alguém em quem você confia totalmente e convide essa pessoa para um almoço ou um café. Conte como você se sente e diga que está buscando entender e navegar por esses sentimentos.

É essencial que você converse com alguém que vai ouvir o que você tem a dizer sem fazer juízos de valor. Aqui, o importante é poder desabafar e sentir-se acolhido e respeitado em um momento de fragilidade. Portanto, seja cuidadoso nessa escolha.

3. Acrescente atividades de relaxamento e lazer à rotina

Pessoas que se dedicam apenas ao trabalho e aos afazeres domésticos, sem fazer uma pausa para relaxar ou se divertir, ficam mais propensas ao estresse e a outros fatores que afetam o equilíbrio emocional.

Procure separar um tempo para ficar em silêncio, refletindo sobre tudo o que aconteceu no dia, o que você sentiu e está sentindo naquele momento, e para fazer uma espécie de limpeza mental, separando os pensamentos positivos dos negativos e descartando emoções ruins.

Além disso, tente dedicar o fim de semana — ou pelo menos parte dele — a uma atividade recreativa, como ir ao cinema, frequentar um clube ou fazer uma viagem rápida. Cerque-se de pessoas que você ama e experimente relaxar e permitir-se rir e sentir alegria, mesmo que por apenas algumas horas.

Se, depois de tudo isso, você ainda estiver se perguntando “por que sinto muita tristeza?”, pode ser o momento de buscar a ajuda de um profissional treinado e preparado para lidar com questões emocionais mais persistentes. O importante é saber que você não está sozinho.

Quer saber mais sobre como desenvolver o equilíbrio emocional? Siga nossos perfis nas redes sociais e veja mais dicas de como conquistar uma vida mais plena e realizada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *